Adenda | Addendum

Adenda ao post anterior  | Addendum to previous post

Ando muito trapalhona a escrever quer no blogue quer no grupo do Facebook do Air Embroidery Club. Desaparecem-me fotos e texto, ou parte deles, como hoje verifiquei. Quando vim para fazer um novo post vi que uma parte do texto da primeira foto tinha desaparecido. Aqui vai.
I’m a bit of clumsy writing on both the blog and the Air Embroidery Club Facebook group. Photos and text or part of them disappear as I checked today. When I came for a new post I saw that part of the text of the first photo had disappeared. Here goes.

esqueleto da árvore
tree skeleton

usei Mouliné Madeira (6 fios) cor 2711 09 + Moulinée DMC 3860 – alternado 2 fios +1 fio ou 1+2  de cada cor,para ramos mais grossos, para os mais finos 1+1 – Este tipo de alternância, se feito em folhas (vários tons de verdes) ou água, mar ou rio (vários tons de azuis e verdes) e etc. pode fazer um efeito matiz/ pintura. 
I’ve used Mouliné Madeira (6 threads) colour 2711 09 + Mouliné DMC 3860 – alternating 2 threads + 1 thread or 1 + 2 of each colour for thicker branches, to thinner ones 1+1 – this kind of changes if done in  leaves (several shades of greens) or water, sea or river ( several shades of blues and greens) and other colours, can do a  long and short stitches or painting effect.
A parte que falta | Missing part
O tronco mais grosso foi feito com um ponto italiano  Punto Bizantino, que tanto quanto percebo, do que tenho lido sobre ele é uma técnica (recente sec.XX) inspirada nos mosaicos em relevo da Duomo di Ravenna  e que consiste em contornar os desenhos com ponto pé de flor e encher os espaços maiores com o dito ponto bizantino que é, na explicação final, o Punto Stuoiafeito com fio (2) Mouliné na diagonal, da esquerda para a direita e de baixo para cima, não muito longo, fazendo um ponto lançado um pouco solto (frouxo, como o nosso ponto de Castelo Branco) fechando-o com pontos oblíquos da esquerda para a direita, na direção do centro do trabalho. Confuso?
The  thickest trunk was done with an Italian stitch Punto Bizantino , which as far as I can see of what I’ve read about it, is a technique (recent sec.XX) inspired by the embossed mosaics of the Duomo di Ravenna and  consists of edging the drawings with Stem Stitch and fill the larger spaces with the said Byzantine Stitch which is in the final explanation the Punto Stuoia – done with 2 threads Mouliné diagonally, from left to right and from the bottom up, not too long, doing a released stitch a bit loose (frouxo, like our Castelo Branco Stitch), closing it = couching it  with oblique stitches from left to right, towards the center of the work. Confused?
Imagens daqui  | Pictures from here.

Punto stuoia

Punto stuoia/ Punto Bisantino

Punto stuoia / Punto Bisantino

WIP muito muito antigo

Há muitos, muitos anos que me debato com este ponto, mas agora sei muito mais sobre este ponto, acho eu.
For many, many years I’m struggling with this stitch but now I know much more about this stitch, methinks.

works in progress pormenor/detail

Bom fim de semana. Happy weekend.

neste fim de semana / this weekend

Vou tentar seguir os tutoriais que a Silvana está a publicar.
Já publicou dois; este e este. Nunca tentei o ponto Rodi. É agora.
Há muito tempo que sigo o seu blogue que é uma maravilha.
Vamos encontrar-nos por lá?
Bom fim de semana a todos.

I will try to follow the tutorials Silvana is publishing.
She has already published two posts; this and this. I never tried Rodi stitch. It’s now.
I follow her wonderful blog long ago. We’ll meet there?
A great weekend to all of you.

 

Oficina de Bordados

Uma boa maneira de voltar ao blogue e também numa data muito especial. Parabéns Pal!

No Galo Louco, é claro!   We bring the cookies.

 Galo Louco's photo.

Numa primeira edição a 18 de Abril (Sábado) das 14.30h às 19.00h, e agendada uma segunda edição durante a semana, no dia 23 de Abril, para quem não conseguir inscrição na primeira.
Sujeito a um número mínimo de inscrições.
Venha aprender a bordar com a Méri e sim, nós levamos as bolachas, mas serão talvez um pouco mais discretas.

 No Galo Louco vamos aprender todos os pontos deste mosaico:
(podem clicar nas fotografias, para ver melhor)

E nas próximas oficinas podemos avançar para o que quiserem aprender mais!

Bordado de Viana do Castelo

 Bordado de Guimarães

Bainhas abertas

bainhas abertas

 

 

bainhas abertas

Por agora lá vos espero no Galo Louco, dia 18 de Abril, sábado.

Coisas curiosas / Curious things (cont. 5 III)

Para terminar esta série de experiências à volta do ponto pé de flor suspenso – assim chamado e usado no Bordado das Caldas da Rainha – (“imbotitto” em italiano) tentei executá-lo, embora não tenha nenhuma explicação nem foto. Quando estive com a Liseta Pereira vi um bordado dela com este ponto, mas não fotografei.
To end this series of experiments around raised stem stitch – so named and used in embroidery of Caldas da Rainha – I tried to do it, although I have no explanation or photo to see how to.When I was with Liseta Pereira saw this stitch in one of her embroideries, but no photo…capelista das termas - Liseta Pereira(esta foto é do facebook da Liseta – cliquem nela para verem mais fotos na sua página)
(this picture is from Liseta facebook – click on it to see more in her page)
Parece-me que a base da coroa do terceiro saco a contar da esquerda pode ser em ponto pé de flor suspenso, mas não tenho a certeza.
I guess the crown base on third bag from the left can be raised stem stitch, but I’m not sure.

Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 1Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 2Contornei uma forma com ponto pé de flor e passei os fios verticais no ponto pé de flor, com linha simples, não dupla como no Le Ruote do Punto Umbro. Não sei se é exatamente assim que se faz nas Caldas da Rainha. Será Liseta? Penso que sim.
 I went around the design with stem stitch where I’ve supported the grid with single thread, not double as in Le Ruote in Punto Umbro. I’m not sure  if it is done that way in Caldas da Rainha. Is it Liseta? I think it is.

Ao fazer este pequeno motivo, lembrei-me de fazer de outra maneira:
Making this small motif, I remembered to try  another way:
Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 3Ponto pé de flor suspenso Caldas da Rainha 4Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 5Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 6Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 7
Quer num caso, quer no outro fiz sempre o ponto pé de flor suspenso da esquerda para a direita, passando a linha por baixo das linhas verticais.
In both ways I’ve always done raised stem stitch from left to right, passing needle and thread under the vertical lines.
Ponto pé de flor suspenso - Caldas da Rainha 8Como as primeiras carreiras do ponto me parecem muito largas, intercalei mais linhas verticais, para tornar o ponto pé de flor suspenso mais pequeno.

As the first rows of raised stem stitch seem too large, I’ve done more vertical lines,so the stitch look better.
Ponto pé de flor suspenso Caldas da Rainha 9Não está perfeito. Parece-me que a primeira forma é a correta no Bordado das Caldas e fica melhor. Tem que se ter atenção às extremidades para  ficarem perfeitas, não puxando demasiado o fio.
It’s not perfect. I think the first way is the right way  in Caldas da Rainha Embroidery and looks better. We have to pay attention to the ends making them perfect, not pulling the thread too much.

Concluindo: Concluding:

A grande diferença entre a maneira como fiz o ponto pé de flor suspenso, e a Mary Corbet terá também feito, está no avesso quer no Bordado das Caldas da Rainha, quer no italiano Punto Umbro o Sorbello o Portoghese.
The biggest difference between the way I made Raised stem stitch, and Mary Corbet have also done, is on the back of embroidery either in the Portuguese Bordado das Caldas da Rainha or in the Italian Punto Umbro o Sorbello o Portoghese.
Caldas da Rainha e Le Ruote avesso 10E é tudo acerca deste tema, a não ser que queiram acrescentar algo. Sintam-se à vontade para comentar! Estes postais levaram demasiado tempo a escrever. Desculpem se ficou confuso.
And it’s all on this subject, unless you want to add something. Feel free to comment! These posts took too long to write. Sorry if it was confusing.

O mês de Agosto acabou e foi negro e triste até ao fim – o nosso país a arder e nós a perder amigos queridos.
The month of August went on sad till the last day – our country on fire and we loosing beloved friends.

Coisas curiosas / Curious things (cont.5 – II)

Tentei seguir as instruções da Giusseppa Federici no seu livro Punto Umbro o Sorbello o Portoghese
I tried to follow the instructions of Giusseppa Federici in her book Punto Umbro o Sorbello o Portoghese

Le Ruote

By Giuseppa Federici

La Ruote 1
La Ruote 2Até aqui parece-me correto – estará Giuseppa?
So far it seems correct – ist it Giuseppa?
La ruote 3Agora começa a complicação com o fio dobrado.
Now the trouble begins with the double thread.
La Ruote 4
Não gostei nada do resultado e desfiz tudo! E tentei outra vez
I dislike the result and have undone everything! And tried again
La Ruote 5Desta vez deixei espaços para poder iniciar o ponto pé de flor suspenso, mas creio que não está completamente correto…
This time I left spaces in order to start raised stem stitch, but I believe that is not completely correct …
La Ruote 6O resultado é parecido mas não igual. Deve precisar de mais carreiras de ponto pé de flor suspenso – “imbotitto” em italiano.
The result is similar but not the same. More rows of raised stem stitch are needed I believe.

Adenda: Giuseppa Federici já me confirmou que é assim que se faz. Obrigada Giusy :)
Addendum: Giuseppa Federici has confirmed to me this is the right way . Thanks Giusy :)

By Giuseppa FedericiBy Giuseppa Federici

...to be continued with the raised stem stitch of Caldas da Rainha (just missing to edit the pictures :( )
 …continua com o ponto pé de flor suspenso das Caldas da Rainha (só falta editar as fotos :( )

Coisas curiosas / Curious Things (5) or Bordado das Caldas da Rainha vs Punto Umbro o Portoghese

No seguimento do postal anterior sobre o mesmo tema vou mostrar como fiz o ponto pé de flor suspenso, e como penso que também a Mary Corbet terá feito.
Following the previous post on the same topic I’ll show you how I made the raised stem stitch, and similar Mary Corbet have done, I think.(sorry if I’m wrong).1 Ponto pé de flor suspenso; raised stem stitch1 – Aproveitando o esquema que já tinha feito começo a fazer os pontos lançados, alternando um longo e um curto – daí a importância do circulo do meio. Tentei corrigir o esquema, contudo não ficou muito bem. Os pontos têm que ficar a espaços certos. As setas apontam para algumas incorreções.
– Building on the scheme I already had started making straight stitches, by alternating one long and one short – hence the importance of the middle circle. I tried to fix the scheme, but was not very good. The stitches must be made at regular (even?) and short spaces. The arrows point out to some mistakes.

2 – Os pontos devem convergir – o que não acontece no ponto com a seta, p.ex.
– Stitches must converge – which does not happen at the stitch with the arrow, eg.

3 – O avesso fica assim. Back side looks like that.

4 – E este é o primeiro ponto pé de flor suspenso – nunca picando o tecido – usando como suporte os pontos lançados.
– This is the very first raised stem stitch – never pricking the fabric – using straight stitches as support.

2 Ponto pé de flor suspenso; raised stem stitch

5, 6 – e continua-se; ao completar-se a volta nada se faz de especial, a não ser continuar à volta.
– and went on; when you finish the first turn you do nothing special but going on around.

Adenda: ao fazer o ponto pé de flor a linha não deve ser muito puxada, vai-se ajustando com a agulha.
Addendum: to make raised stem stitch the thread should not be pulled too much, it will be adjusted with the needle.

7 – quando os pontos lançados mais curtos acabam, podemos ou não mudar a cor.
 – when the shorter straight stitches are covered, we can or not change the color – 

8 – mudei a cor para demonstrar que se pode fazer, mesmo com cores contrastantes.
– I’ve changed the colour to show you what can be done even with contrasting colors.

3 ponto pé de flor suspenso; raised stem stitch

9, 10 – Pode-se acabar como se quiser – usei o ponto pé de flor para contornar e os nozinhos para encher o circulo mais pequeno.
– You may end up as you want – I used stem stitch to work around and French knots to fill the smaller circle.

???????????????????????????????

Resulta melhor com circulos mais pequenos – percebi isso quando comparei o que tinha feito há algum tempo com o que fiz agora – não resultou tão bem, desculpem!
It works best with smaller circles – I realized this when I compared what I’ve done before with the one I used for this tutorial – doesn’t work so well, sorry!

Espero, ainda esta semana, fazer este ponto à maneira das Caldas da Rainha e do Punto Umbro.
Later this week I hope to show you how this stitch is made in Caldas da Rainha and Punto Umbro o Portoguese embroidery.

Boa semana!
Have a great week!

Ilhós / Eyelets

Há dias vi esta entrada, e prometi mostrar a maneira como faço, ligeiramemte diferente. Faço dois ilhós diferentes : o ilhó de rolinho e o ilhó de recorte.
A while ago I read this post and promise to show how I do, slightly different. I do two kinds of eyelets : eyelet hole and buttonhole eyelet.

1 – São ilhós muito pequenos; pus o dedal e novelo , como refrência.
1 – These are very little eyelets, I put a thimble and a ball as reference.
ilhó de rolinho / eyelet hole
2 – começo por contornar o círculo, com ponto adiante e
3 – volto para completar os espaços em branco
2 – i begin doing a running stitch all around and
3 – come back completing the blank spaces.
4 e 5 – com um stiletto abro um buraco, bem aberto e sem medo ;)
4 e 5 – then with a stiletto a hole is open, well open without fear ;)
6 – faz-se um pequeno rolinho sobre o ponto adiante e apanhando as fibras de tecido do buraco
6 – a thin roll is made over the running stitch and catching the fibers of the hole
7, 8 e 9 – cada ponto lado a lado, puxando bem o fio
7, 8 e 9 – each stitch side by side
, pulling well the thread
ilhó de recorte / buttonhole eyelet
10 a 15 – o começo é o mesmo: ponto adiante à volta da forma e fazer o buraco, mas agora usa-se o ponto recorte lado a lado.
10 to 15 – the begin is the same: running stitch around and the hole making, now we use the buttonhole stitch side by side.

16 – Ao longo do processo pode  ser necessário alargar um pouco o buraco com o stiletto.
Para buracos maiores faço uma dupla carreira de ponto adiante e corto o tecido com uma tesoura delicada.
16 – Along the process you may need to enlarge the hole with the stilleto.
For bigger holes I do a double row of running stitches and use a delicate scissor to cut the fabric.

Espero que se perceba ;)

Hope you can understand my English! ;)

Coisas curiosas / Curious Things (2)

English readers: please avoid the Google translation, though even with my translation you may end very confused. Sorry for that, but I have been working hard on this post …

O ponto pé de flor

Nos bordados tradicionais Portugueses o ponto pé de flor está sempre a aparecer, embora possa ser designado de outra forma, como aqui já foi dito. Assim no bordado de Tibaldinho o ponto pé de flor é ponto pé a fugir ou ponto a fugir, em Viana é ponto cordão ou ponto haste, na Madeira ponto de corda, em Nisa ponto de fio torcido. Em Guimarães e Castelo Branco aparece como ponto pé de flor.
Como sou uma rapariga do norte, sempre ouvi falar no ponto pé de flor, ponto haste e ponto cordão.

The stem stitch (the literal translation of our ponto pé de flor is flower stem stitch)

In Portuguese traditional embroideries stem stitche is always present though it has different names as referred here. So in Tibaldinho Embroidery stem stitch is known – from now on I’ll give you literal translations for our stitches – as stem fleeing stitch or fleeing stitch, in Viana Embroidery is known as cord stitch or stem stitch, in Madeira (Island) as rope stitch, in Nisa as twine stitch. In Guimaraes and Castelo Branco is flower stem stitch.
As I am a northern girl I always knew it as flower stem stitch, stem stitch and cord stitch.

Penso que posso dizer que é dos pontos mais usados em bordados.
É, por isso, um dos primeiros pontos que se aprende/ensina. Quando preparei a primeira oficina de bordados, lá fui eu à procura de qualquer particularidade que me escapasse no ponto pé de flor.
Pesquisei nos livros que tenho, blogues e dicionários on-line a que já referi na primeira entrada desta série.

I think I can say it is one of the most used stitches in embroidery.
It is therefore one of the first stitches we learn/teach. When I prepared the first workshop of embroidery I looked for any detail about stem stitch. I’ve searched in my books, blogs and dictionaries I linked in the first post of Curious Things.

A primeira coisa curiosa com que deparei foi a não existência do ponto pé de flor duplo em língua inglesa, melhor dito, double stem stitch não aparece em livros ou dicionários, mas aparece, assim referido, em instruções de alguns kits de bordados. A Mary Corbet, que já sabem que para mim é uma referência, quando interrogada sobre o ponto pé de flor duplo (traduzido literalmente) responde não conhecer esse ponto e que o mais provável será quererem referir-se simplesmente ao ponto pé de flor feito duas vezes muito junto (aqui – 5º comentário). Janet  Mccaffrey parece ter opinião semelhante.

First curious thing I came across was the absence of double stem stitch in English it doesn’t appear on books or dictionaries but as far I understood it appears on directions of some embroidery kits. Mary Corbet, who you already know is a reference for me, when questioned about double stem stitch answers she can’t find any reference of the stitch and  thinks the double stem stitch is stem stitch stitched twice, two rows very close (here – 5th comment). Janet Mccaffrey seems having a similar view.

Ora, nós Portugueses por cá, e os Italianos por lá, (punto erba semplice e doppio) têm mesmo o ponto pé de flor duplo, que aparece muitas vezes referido na revista Rakam. Em francês não encontrei, a não ser o mesmo entendimento da Mary e da Janet.

But here the Portuguese and there the Italians, (punto erba semplice e doppio) have the double stem stitch (literal translation) which is often reffered in Rakam magazine. In French I only found the same opinion of Mary and Janet’s.

Eu, atrevidamente, concluo que é tudo uma questão de tradução. Por exemplo a Tutto Ricamo traduz o punto erba doppio para double stem stitch, tradução literal.
Não custa a imaginar que quem negoceia kits e revistas faça o mesmo. Eu fiz o mesmo.

I boldly infer it’s all a matter of translation. For example Tutto Ricamo translates punto erba doppio for double stem stitch, literal translation. I did the same.
Not hard to believe that kit or magazine sellers do the same if they sell from Italy to America or in America from Itallian patterns.

Foi então que encontrei outra coisa curiosa, relacionada com tudo isto, na página Heritage Shoppe. Recorro frequentemente a esta página, mas nunca tinha ido ver o que diziam sobre o ponto pé de flor. Vale a pena ler. Neste artigo apresentam-nos três formas de fazer o ponto pé de flor:

Then I found another curious thing connected with all that at Heritage Shoppe. I often open this site but has never read Stem stitch page. Worth reading. This article presents three appoaches to do stem stitch:

1  primeira   1 first one

a linha não vem completamente atrás, ao mesmo buraco do ponto anterior, apanha só um pouco de tecido, digamos que faz um pequeno ponto atrás;

the thread doesn’t go back into the same hole, needle picks a little bit of fabric, doing a little back stitch – no special name in English

2 A segunda forma é o ponto pé de flor (stem stitch) como vem demonstrado na “Encyclopedia of Needlework” by Thérèse  Dillmont, 1870, acrescentando que aparece, muitas vezes, designado em inglês como wide stem stitch (e não double stem stitch).
Eu diria que este é o ponto pé de flor duplo e o punto erba doppio.

2 Second approach is the stem stitch as showed in “Encyclopedia of Needlework” by Thérèse Dillmont, 1870, telling this stitch is often referred as Wide Stem Stitch (and not double stem stitch).
I would say this is our ponto de pé flor duplo and Italian punto erba doppio (double stem stitch – literal translation)

3 A terceira forma é o ponto pé de flor como tradicionalmente se aprende

3 Third approach is stem stitch as we traditionally learn

 agulha vem atrás ao mesmo buraco do ponto anterior
needle comes back in the same hole from the previous stitch


Tentei juntar aqui as três formas. I tried to do three approaches together.

Mas o que é extraordinário é como começa a explicação desta terceira forma:

Known as punto de cordão in Portuguese, or cord stitch. It is an apt name, for indeed, cord (or rope) is how it looks”!

(Conhecido como punto de cordão em Português, or cord stitch. É um nome bastante apropriado porque na verdade cordão (ou corda) é o que parece)

Não acham isto curioso?

But more curious is how this third approach begins:

Known as punto de cordão in Portuguese, or cord stitch. It is an apt name, for indeed, cord (or rope) is how it looks”!

Isn’t it curious?

Há ali uma ligeira mistura entre Português e Italiano, o que, cá por casa, por vezes acontece ;)

Como terá chegado esta designação, hoje só característica no norte de Portugal, ao conhecimento do(a) autor(a) do artigo?
Poder-se-á concluir que a designação de ponto cordão é mais antiga que ponto pé de flor? e esta última designação terá a sua origem numa tradução mais literal do point de tige ou do stem stitch? Não sei…

There is a slight mixture between Portuguese and Italian which around here sometimes happens lately ;)

How has this Portuguese regional name come to the knowledge of the article’s author?
Is it possible that the designation ponto cordão is older than ponto pé de flor (flower stem stitch)? And this latter designation has its origin in a more literal translation for point de tige or stem stitch? I do not know…

Outra ideia que me surgiu: será o ponto de pé a fugir ou ponto a fugir, como é designado nos bordados de Tibaldinho, feito como na primeira forma apresentada na página Heritage Shoppe? Alguém que conheça bem como se faz o bordado de Tibaldinho poderá deixar um comentário, por favor?
Em Guimarães faz-se o ponto pé de flor tradicional (3ª) e o ponto pé de flor duplo (2ª)
Qual das três formas se usa para o ponto cordão na Madeira? E em Castelo Branco? E em Viana? Gostaria de saber como as bordadeiras destas regiões fazem o que designamos por ponto pé de flor.
Os nomes diferentes que encontramos, para o que pensamos ser o mesmo ponto, poderão ter a sua origem nos diferentes modos de fazer esse mesmo ponto.

Another idea comes to me: could the fleeing stitch (literal translation) in Tibaldinho embroidery be made as shown on first approach in Heritage Shoppe? Someone who knows well how Tibaldinho embroidery is done:  could you leave a comment please?
In Guimaraes we do the usual stem stitch (3rd) and the Wide stem stitch (2nd).
Which approach is used for ponto corda in Madeira? In Castelo Branco? Viana? I wonder how the embroiderers of each region do the stem stitch.
Different names for what we think being the same stitch may have their origins in different “how to” do the stitch.

Pode-se concluir muito pouco:

– o ponto pé de flor é stem stitch em inglês, o que já se sabia;

– há três formas (até ver…) de fazer o ponto pé de flor;

– o ponto pé de flor duplo é  wide stem stich em inglês e não double stem stitch;

– e ainda… quanto mais se procura e lê, mais dúvidas surgem!

Mas eu sou das que gostam de ter dúvidas ;)

We can conclude very little:

ponto pé de flor is stem stitch in English which was already known;

– there is three approaches (so far…) for stem stitch;

ponto pé de flor duplo is wide stem stitch in English not double stem stitch;

Fontes / Sources

All the links on the text and

Páginado Município de Felgueiras

Museu do Bordado e do Barro – Nisa

Bordado de Guimarães, Renovar a tradição – editora Campo das Letras (esgotado!)
( pdf Português;  pdf English)

O “Bordado” e as colchas de Castelo Branco – Museu de
Francisco Tavares Proença Junior, 1974

Bom fim de semana!

Have a great weekend!

Coisas Curiosas / Curious Things (1)

Do que mais gosto, quando preparo as oficinas de bordados, é de toda a pesquisa que faço. Faço-a também por rigor – quero estar informada das muitas maneiras de fazer. É claro que ensino, essencialmente, o como eu faço e alguns truques que uso para ultrapassar esta ou aquela dificuldade. Mas, como nada é definitivo, gosto também de falar e, por vezes, demonstrar outras formas de fazer e, depois, cada um(a) decidirá a sua maneira de fazer.

What I like best, when preparing the embroidery workshops, is all the research I do. I do it not only for pleasure but also by the rigor – I want to be informed of the many ways of doing. Of course I teach, essentially, how I do and use some tricks to overcome this or that difficulty. But as nothing is definite, I also like talking and sometimes demonstrate other ways of doing and then each one decide their own way of doing.

Ao longo destes últimos anos tenho deparado com algumas coisas curiosas (pelo menos para mim). Decidi escrever sobre o que vou encontrando, na categoria Coisas Curiosas. Para partilhar convosco e, eventualmente, encontrar alguém que, sabendo mais sobre estas coisas curiosas, possa acrescentar alguma explicação.

Over the last few years I have come across some curious things (at least for me). I decided to write on which I found under the category Curious Things sharing with you and possibly find someone who, knowing more about these curious things, could add some explanation.

Por exemplo, alguns nomes de pontos:
o Portuguese stem stitch or Portuguese knotted stem stitch, que é um ponto com um efeito muito bonito, por sinal

For example, some stitch names:
the Portuguese stem stitch or Portuguese knotted stem stitch, which is a stitch with a nice effect, by the way


Este é chamado, em inglês, Portuguese (knotted) stem stitch, em alemão Portugiesischer Knoten , em francês Point de tige portugais! Em italiano penso que é o Punto erba fantasia (e não o punto erba avvolto). Pelo nome, nas várias línguas, parece ser uma variante complexa do ponto pé de flor. Em português não sei o nome…

This is called in English, Portuguese (knotted) stem stitch, Portugiesische Knoten in German, in French Point de tige portugais! In Italian I think that is the Punto erba fantasia (not the punto erba avvolto). By its name in several languages, it appears to be a complex variant of the stem stitch. I don’t know the Portuguese name…

Aparece na maior parte de dicionários de pontos on-line, em inglês, e nos mais diferentes blogues sobre bordados. Estranhamente não aparece num dos mais conhecidos e melhores dicionários de pontos on-line que consulto muitas vezes: Sharon B’s in a minute ago. E digo estranhamente pois no seu blogue podemos encontrar uma entrada dedicada a este ponto.

Confesso que me surpreende a designação do ponto porque ainda não consegui encontrá-lo nos nossos bordados tradicionais. Porquê portuguese?

It appears in most English online stitch dictionaries and in different blogs about embroidery. Strangely it doesn’t appear in one of the best known and best stitch dictionaries online that I often search: SharonB’s in a minute ago. I say oddly because in her blog we can find a post dedicated to this stitch.

I confess I am surprised with the stitch name because I could not find it in our traditional embroidery. Why Portuguese?

Outro ponto é o Portuguese border stitch, em alemão Portugiesischer Bordürenstich, em francês Le point portugais de bordure. Nenhum nome em português também.

another stitch is the Portuguese border stitch, Portugiesische Bordürenstich in German,Le point portugais de bordure in French. No Portuguese name either.

Sharon B também tem uma entrada no blogue que explica passo-a-passo este ponto.
Também esta designação me surpreendeu, porque também não a conhecia. Porquê o Portuguese nestas designações?

Sharon B also has a blog entry that explains this stitch step by step.
This designation also surprised me, because I didn’t know it. Why the Portuguese in these designations?

Já o Portuguese stitch também conhecido como Long armed cross stitch não me admirou nada ter o portuguese na sua designação, pois é o nosso ponto de Arraiolos, com o qual se fazem os nossos belos tapetes de Arraiolos.

But the Portuguese stitch also known as Long armed cross stitch has not surprised me having Portuguese in its name, it is our stitch of Arraiolos, with which our beautiful carpets
of Arraiolos
are handmade.

Infelizmente não temos um glossário português de pontos. Há uma grande confusão nas designações dos pontos, conforme as regiões.
Já me apercebi que também noutros países há alguma confusão, mas como há muitos mais livros escritos sobre os bordados tradicionais de cada região ou país, quem os lê ou consulta, vê (e lê) de que ponto se trata e aprende como se designa naquela região.
Nós por cá temos o ponto pé de flor, por exemplo, que penso que toda a minha gente sabe o que é, mas que em algumas regiões se designa como ponto haste e noutras como
ponto cordão e… mas este ponto vai dar direito a outra entrada em breve, espero, que esta já vai longa. :)

Unfortunately we have not a Portuguese stitch glossary. There is great confusion in the designations of the stitches, depending on the region.
I’ve also noticed the same happens in other countries, but there are many more books written about the embroideries from each region or country, those who read see the stitches and learn how they are named on that region.
Here in Portugal Stem stitch has different names according the region you are… but this stitch is going to claim another post soon I hope this is already too long. :)

É uma pena que, com tanto mestrado e doutoramento na área dos têxteis ou design (como agora se diz), não haja quem se debruce, a sério, sobre o estudo destes assuntos – no
Google encontram-se algumas teses de mestrado, em pdf, mas as que li não me entusiasmaram…

It’s a shame that with so many masters degree and doctorate in the field of textile design there are nobody who looks into a serious study on these issues – on Google I’ve found some masters theses but those I read didn’t convince me…

A Casa do Risco em Airães, ou melhor dito, a Câmara de Felgueiras tem já um livro editado sobre os bordados do Vale do Sousa, que só folheei e me pareceu muito bom. Até tem uma versão em inglês, o que é fundamental nos tempos que correm. Mas não está disponível para se comprar… ** Por tudo o que aqui se lê pode imaginar-se o enorme trabalho já realizado. Por que não divulgá-lo então?
É algo que me custa muito a entender…

Casa do Risco at Airães, better said, the Assembly of Felgueiras has already published a book about Vale do Sousa embroideries, I’ve thumbed through it just seemed very good. It even has an English version, which is crucial in these times. But it is not available for us … ** for everything you read here we can imagine the tremendous work already done. Why not spread it?
It’s something I can’t understand…

Estas considerações, de que lamentavelmente não conheço o nome do autor, completam de forma muito clara o que tentei dizer. Consola-me saber que o autor tem opinião coincidente com a minha, sobre a tradução do Dicionário de Pontos de Lucinda Ganderton:

“…desde 2000, existe uma tradução de um Dicionário de Pontos da autoria de LucindaGanderton, editado pela Livraria Civilização Editora. Todavia a tradutora deste
livro, perante o vazio lexical existente e sabendo pouco ou nada de técnicas debordar, traduziu de forma literal, não aproveitando aquilo que, apesar de tudo,
ainda se pode encontrar na Língua Portuguesa”

These considerations, which unfortunately do not know the author’s name, complete very clearly what I did say. It comforts me that the author has the same opinion I have on the translation of the Dictionary of Stitches by Lucinda Ganderton:

“… since 2000, there is a translation of a Dictionary of stitches by Lucinda Ganderton, published by Civilização
Editora. However, the translator of this book, before the existing emptylexical and knowing little or nothing of embroidery techniques, translated
literally, not taking advantage of what, after all, can still be found in the Portuguese Language “

Este texto sobre Pontos também vale a pena ser lido – aliás tudo sobre a Casa do Risco vale a pena ser lido e vale a pena visitá-la também.

This text about Embroidery stitches is worth reading too – indeed everything about Casa do Risco is worth reading and it is worth visiting it too.

** O livro Bordado de Guimarães continua esgotado.
** The book Guimarães Embroidery continues not available.