Bordados dos Açores / Azorean Embroideries (III)

Palha de trigo/ weath staw

Palha de trigo/ weath staw

(You can click on the pictures) (Podem clicar nas fotos)

1 – Rachadores, 2 – Fio de piteira (?), 3 – Furador e dedeira, 4 – Palha de trigo
1 – Choppers, 2 – Thread of maguey, (?) 3 – Awl and finger cot(?), 4 – Wheat Straw

O que é tudo isto??? A apresentação do Bordado a Palha de Trigo da Ilha do Faial!
What is all this???  The presentation of Embroidery with wheat straw from Faial Island!

Segundo Alexandra Andrade, autora dos artigos sobre Bordados dos Açores, nos livros abaixo referidos, “a emigração foi determinante no surgimento do quase inédito “ Bordado a Palha de Trigo da ilha do Faial”, também designado por “renda de pita”.
No Arquivo dos Açores há o registo do primeiro exemplar que remonta a 1850. Terá sido um chapéu de senhora de seda preta bordada a palha que foi enviado por Mr. Hasper, residente em Boston (EUA), a sua irmã, residente na Horta, supostamente para averiguar da viabilidade de produção de trabalhos deste género na ilha do Faial. A senhora que estudou a urdidura desse bordado (D. Joana E. Ferreira) transmitiu-o a várias bordadeiras, tendo impulsionado uma nova indústria que já tinha mercado à espera. Confecionavam xailes, mantilhas, mantas de pescoço, lenços, chapéus e vestidos decorados a palha sobre tule de seda ou algodão branco ou preto. Os trabalhos também foram divulgados em Paris e muito apreciados ao nível das casas de alta-costura.
A palha de trigo dos Açores apresenta características próprias, como o brilho e a cor.”
According to Alexandra Andrade, author of articles about Azorean Embroideries, in the two books mentioned below , ” emigration was instrumental in the emergence of the almost unprecedented Embroidery with Wheat Straw from Faial island, ” also called” lace in pita “.
Files in the Azores there is the record of the first issue dating back to 1850 . It have been a lady  hat embroidered on black silk with straw which was sent by Mr. Hasper, living in Boston ( USA ), to his sister, living in Horta, supposedly to investigate the feasibility of producing of this kind of work in Faial Island. The lady who studied the warp of this embroidery ( D. Joana E. Ferreira ) forwarded it to several embroiderers , having driven a new industry that already had a market waiting . They embroidered shawls, mantillas, neck  scarves, hats and dresses decorated  with straw on cotton or silk tulle white or black . The work was also published in Paris and much appreciated by haute couture maisons.
The wheat straw from Azores presents its own characteristics such as brightness and color.”
As mulheres faialenses usavam, vulgarmente, véus e mantilhas nas cerimónias religiosas. Feitos em fino tule de algodão ou seda preto (hoje difícil de obter) tinha uma consistência fluida, caindo naturalmente sobre os ombros parecendo pairar sobre ele, em vez de a ele estar aprisionado. É de evitar a utilização do tule de nylon em substituição do tule de algodão, da mesma forma que não é aconselhável o emprego de um fio têxtil em substituição do fio da piteira no desenho das finas ramagens. Estes materiais nem sempre são obtidos com facilidade, tal como a palha de trigo, mas tornam-se imprescindíveis para a dignificação do produto e garantia de qualidade face a um mercado cada vez mais exigente. A matéria-prima é preparada pela própria bordadeira que sabe como obter a cor e a textura desejada de forma a facilitar a execução sem descurar a perfeição técnica e a harmonia estética. A loira palha de trigo  pode ser tingida com açafroa de forma acentuar o tom dourado, é amassada e separada em tiras finas com um rachador de madeira ou osso, após o que estará pronta a ornamentar o tule, desenhando simples motivos vegetalistas de efeito visual surpreendente.”

The women from  Faial Island wore commonly  veils and headdresses in religious ceremonies. Made in fine tulle of black cotton or silk (now difficult to obtain ) had a fluid consistency  falling naturally on the shoulders seeming to hover over it, instead of being imprisoned to it. It’s good to avoid the use of nylon tulle netting in place of the cotton as well as it is not advisable to use any other kind of thread  in substitution of thread of maguey in the design of the thin branches. These materials are not always obtained easily, such as wheat straw, but it becomes indispensable to the dignity of the product and quality assurance in the face of an increasingly demanding market. The raw material is prepared by each embroiderer who knows how to get the color and texture desired in order to facilitate the implementation without neglecting technical perfection and aesthetic harmony. The blonde wheat straw can be dyed with safflower so emphasize the golden tone, is mixed and separated into thin strips with a chopper of wood or bone strips, and it will be ready to adorn the tulle, drawing simple plant motifs of an  amazing visual effect. “

And let’s see the photos I selected from  the two books and tell me if you had ever seen something similar.
E vamos ver as fotografias que selecionei dos dois livros e digam-me, se já tinham visto algo do género.
In white tulle/ em tule branco

bordado-do-faial-3 Three tons of gold três tons de oiro

bordado-do-faial-3
Three tons of gold
três tons de oiro

O meu preferido em tule preto / my favorite in black tulle:

Bordado-do-Faial-4

Bordado-do-Faial-4

Did you like these posts about Azorean Embroideries? Hope so! 
Gostaram desta série sobre  Bordados Açoreanos? Espero que sim!

Só vos digo que eu fiquei com uma enorme vontade de ir de novo a S. Miguel, à Terceira e ao Faial, exclusivamente para falar com quem sabe destes bordados, pois fiquei com imensas dúvidas!Tenham uma boa semana!
I only tell you that I got a strong desire to go back to S. Miguel, to Terceira and to Faial exclusively to speak with who really knows about these embroideries, because I got lots of questions!Have a great week! 


Bibliografia/ Bibliography:
Fios – Formas e Memórias dos Tecidos, Rendas e Bordados
Instituto de Emprego e Formação Profissional – 2009
Threads – Shapes and Memories of Fabrics, Lace and Embroidery
Institute of Employment and Vocational Training – 2009

Bordados dos Açores
edição da Secretaria de Estado da Economia
Centro Regional de Apoio ao Artesanato/2008
 Azorean Embroidery
edition of the State Secretariat for Economic Affairs 
Regional Centre for Handicrats /2008

 

12 thoughts on “Bordados dos Açores / Azorean Embroideries (III)

  1. Aqui é diferente do eu sei, eu vi, eu estive lá. Já lá estive e sinceramente talvez nuns medalhões tivessem, no turismo de S. Miguel, algo em palha, mas não com esta delicadesa de bordar tule. As mãos que não param desencantam habilidades que as próprias donas às vezes duvidam. Não imagino as voltas que serão necessárias para amaciar as palhas e como lhes dar a volta com agulha, mas não duvido que a Meri vai descobrir e depois contar-nos. Estou aqui matutando, eu vi renda feita com algo vegetal e que achei ser quase impossível, também, tenho de me lembrar
    Próximo capítulo? inté lá

    • O pior são as viagens para os Açores! Caríssimas para nós, mais caras do que qualquer viagem de uma cidade da Europa para lá….

  2. Impressionante! Nunca vi nada igual!Bordar no tule com linha comum é bem difícil, com um fio feito de palha então.. Deve ser um belo trabalho mesmo. O fato de a bordadeira ter que preparar seus fios me encanta demais. Volte mesmo por lá e nos conte mais! E eu, preciso mesmo ir a Portugal!

    • As viagens para as ilhas daqui do Continente são mais caras, se calhar do que do Brasil! Gostava muito de lá ir até porque todas as ilhas são muito bonitas e gostava de as conhecer, só conheço S. Miguel, que é lindissima.

  3. É uma sequência maravilhosa! Os bordados são lindos (não conhecia nada disto), achei muita graça às ‘viúvas’, mas então este ‘final’ é deslumbrante! :) :) :)

  4. Há que tempos que ando de volta deste bordado… Sei que há uma pessoa que vende estes bordados no Faial, mas não tem fotos na internet. Há também uma página no facebook como trabalhos de moda com bordado a palha. Mas as fotos não são famosas…
    É tão original este trabalho… E está tudo lindo aqui no blog :)

    • Há sim na ilha do Faial praticamente sou só eu que estou a fazer e sim tenho tentado inovar este trabalho trazendo peças diferentes para o mercado neste momento apostei na bijutaria e está a ter muito sucesso sim também tenho e faço trabalhos grandes mas por encomenda porque são muito caros devido ao tempo que leva a confeccionar uma peça tratando-se dum vestido todo bordado pode levar uns dois a três meses de trabalho se estiver interesse em ver algumas das minhas peças contacte-me por mail: linasilva.64@hotmail.com

  5. Bordado a palha

    O bordado a palha define-se como sendo um bordado feito a mão sobre filo ou tule preto ou branco em que é utilizada como linha a palha de trigo (colmo). Cortada em tiras finas.

    Segundo o Arquivo dos Açores o bordado a palha aparece na ilha do Faial em 1850,atraves de uma imigrante inglesa, que apresenta um corte de chapéu para senhora de seda preta bordado a palha proveniente de França.

    Nessa época, na corte de Napoleão, o tule era largamente aplicado em vestidos de baile bordados a ouro e prata. Na Península Ibérica, o tule serve ainda de base aos célebres lenços de cabeça de traje das noivas de Viana do Castelo e as mantilhas espanholas.

    O elemento decorativo predominante neste tipo de bordado e a espiga de trigo, embora outros elementos vegetalistas e ate figurativos façam parte dos desenhos escolhidos pelas bordadeiras faialenses.

    A sua expansão através de uma faialense, Senhora Joana E Ferreira, que descobre a forma de bordar a palha e ensina na ilha do Faial tornando-se uma das exportações desta ilha para os Estados Unidos e Europa

    A partir da década de cinquenta com a falta da matéria-prima, já que o tule passou a ser de nylon, a produção decaiu, ficando apenas restrita a duas ou três senhoras que aprenderão a técnica por tradição familiar.

    São duas destas artesãs, que utilizam diferentes técnicas, S. Elvira Teixeira e Senhora Lúcia de Sousa, quem, actualmente, transmitem os seus conhecimentos as pessoas interessadas em não deixar acabar esta arte, característica da Ilha do Faial (provavelmente o único local onde existem estes bordados).

    Tradicionalmente as aplicações do bordado da palha podem ser apreciadas em vestidos, malas, xailes, romeiras, mantas de pescoço e cabeça, chapéus de senhora e tiras, toucas, golas, algibeiras, naperons, e quadros.

    A beleza destes trabalhos, e o seu fascínio, em que o brilho da palha sobressai no tule, é reconhecido pela admiração dos que vêem pela primeira vez e pelos prémios que tem recebido nos concursos de artesanato — em Praia do Almoxarife. Há sim na ilha do Faial praticamente sou só eu que estou a fazer e sim tenho tentado inovar este trabalho trazendo peças diferentes para o mercado neste momento apostei na bijutaria e está a ter muito sucesso sim também tenho e faço trabalhos grandes mas por encomenda porque são muito caros devido ao tempo que leva a confeccionar uma peça tratando-se dum vestido todo bordado pode levar uns dois a três meses de trabalho se estiver interesse em ver algumas das minhas peças contacte-me por mail: linasilva.64@hotmail.com

Comments are closed.