Coisas Curiosas / Curious Things (1)

Do que mais gosto, quando preparo as oficinas de bordados, é de toda a pesquisa que faço. Faço-a também por rigor – quero estar informada das muitas maneiras de fazer. É claro que ensino, essencialmente, o como eu faço e alguns truques que uso para ultrapassar esta ou aquela dificuldade. Mas, como nada é definitivo, gosto também de falar e, por vezes, demonstrar outras formas de fazer e, depois, cada um(a) decidirá a sua maneira de fazer.

What I like best, when preparing the embroidery workshops, is all the research I do. I do it not only for pleasure but also by the rigor – I want to be informed of the many ways of doing. Of course I teach, essentially, how I do and use some tricks to overcome this or that difficulty. But as nothing is definite, I also like talking and sometimes demonstrate other ways of doing and then each one decide their own way of doing.

Ao longo destes últimos anos tenho deparado com algumas coisas curiosas (pelo menos para mim). Decidi escrever sobre o que vou encontrando, na categoria Coisas Curiosas. Para partilhar convosco e, eventualmente, encontrar alguém que, sabendo mais sobre estas coisas curiosas, possa acrescentar alguma explicação.

Over the last few years I have come across some curious things (at least for me). I decided to write on which I found under the category Curious Things sharing with you and possibly find someone who, knowing more about these curious things, could add some explanation.

Por exemplo, alguns nomes de pontos:
o Portuguese stem stitch or Portuguese knotted stem stitch, que é um ponto com um efeito muito bonito, por sinal

For example, some stitch names:
the Portuguese stem stitch or Portuguese knotted stem stitch, which is a stitch with a nice effect, by the way


Este é chamado, em inglês, Portuguese (knotted) stem stitch, em alemão Portugiesischer Knoten , em francês Point de tige portugais! Em italiano penso que é o Punto erba fantasia (e não o punto erba avvolto). Pelo nome, nas várias línguas, parece ser uma variante complexa do ponto pé de flor. Em português não sei o nome…

This is called in English, Portuguese (knotted) stem stitch, Portugiesische Knoten in German, in French Point de tige portugais! In Italian I think that is the Punto erba fantasia (not the punto erba avvolto). By its name in several languages, it appears to be a complex variant of the stem stitch. I don’t know the Portuguese name…

Aparece na maior parte de dicionários de pontos on-line, em inglês, e nos mais diferentes blogues sobre bordados. Estranhamente não aparece num dos mais conhecidos e melhores dicionários de pontos on-line que consulto muitas vezes: Sharon B’s in a minute ago. E digo estranhamente pois no seu blogue podemos encontrar uma entrada dedicada a este ponto.

Confesso que me surpreende a designação do ponto porque ainda não consegui encontrá-lo nos nossos bordados tradicionais. Porquê portuguese?

It appears in most English online stitch dictionaries and in different blogs about embroidery. Strangely it doesn’t appear in one of the best known and best stitch dictionaries online that I often search: SharonB’s in a minute ago. I say oddly because in her blog we can find a post dedicated to this stitch.

I confess I am surprised with the stitch name because I could not find it in our traditional embroidery. Why Portuguese?

Outro ponto é o Portuguese border stitch, em alemão Portugiesischer Bordürenstich, em francês Le point portugais de bordure. Nenhum nome em português também.

another stitch is the Portuguese border stitch, Portugiesische Bordürenstich in German,Le point portugais de bordure in French. No Portuguese name either.

Sharon B também tem uma entrada no blogue que explica passo-a-passo este ponto.
Também esta designação me surpreendeu, porque também não a conhecia. Porquê o Portuguese nestas designações?

Sharon B also has a blog entry that explains this stitch step by step.
This designation also surprised me, because I didn’t know it. Why the Portuguese in these designations?

Já o Portuguese stitch também conhecido como Long armed cross stitch não me admirou nada ter o portuguese na sua designação, pois é o nosso ponto de Arraiolos, com o qual se fazem os nossos belos tapetes de Arraiolos.

But the Portuguese stitch also known as Long armed cross stitch has not surprised me having Portuguese in its name, it is our stitch of Arraiolos, with which our beautiful carpets
of Arraiolos
are handmade.

Infelizmente não temos um glossário português de pontos. Há uma grande confusão nas designações dos pontos, conforme as regiões.
Já me apercebi que também noutros países há alguma confusão, mas como há muitos mais livros escritos sobre os bordados tradicionais de cada região ou país, quem os lê ou consulta, vê (e lê) de que ponto se trata e aprende como se designa naquela região.
Nós por cá temos o ponto pé de flor, por exemplo, que penso que toda a minha gente sabe o que é, mas que em algumas regiões se designa como ponto haste e noutras como
ponto cordão e… mas este ponto vai dar direito a outra entrada em breve, espero, que esta já vai longa. :)

Unfortunately we have not a Portuguese stitch glossary. There is great confusion in the designations of the stitches, depending on the region.
I’ve also noticed the same happens in other countries, but there are many more books written about the embroideries from each region or country, those who read see the stitches and learn how they are named on that region.
Here in Portugal Stem stitch has different names according the region you are… but this stitch is going to claim another post soon I hope this is already too long. :)

É uma pena que, com tanto mestrado e doutoramento na área dos têxteis ou design (como agora se diz), não haja quem se debruce, a sério, sobre o estudo destes assuntos – no
Google encontram-se algumas teses de mestrado, em pdf, mas as que li não me entusiasmaram…

It’s a shame that with so many masters degree and doctorate in the field of textile design there are nobody who looks into a serious study on these issues – on Google I’ve found some masters theses but those I read didn’t convince me…

A Casa do Risco em Airães, ou melhor dito, a Câmara de Felgueiras tem já um livro editado sobre os bordados do Vale do Sousa, que só folheei e me pareceu muito bom. Até tem uma versão em inglês, o que é fundamental nos tempos que correm. Mas não está disponível para se comprar… ** Por tudo o que aqui se lê pode imaginar-se o enorme trabalho já realizado. Por que não divulgá-lo então?
É algo que me custa muito a entender…

Casa do Risco at Airães, better said, the Assembly of Felgueiras has already published a book about Vale do Sousa embroideries, I’ve thumbed through it just seemed very good. It even has an English version, which is crucial in these times. But it is not available for us … ** for everything you read here we can imagine the tremendous work already done. Why not spread it?
It’s something I can’t understand…

Estas considerações, de que lamentavelmente não conheço o nome do autor, completam de forma muito clara o que tentei dizer. Consola-me saber que o autor tem opinião coincidente com a minha, sobre a tradução do Dicionário de Pontos de Lucinda Ganderton:

“…desde 2000, existe uma tradução de um Dicionário de Pontos da autoria de LucindaGanderton, editado pela Livraria Civilização Editora. Todavia a tradutora deste
livro, perante o vazio lexical existente e sabendo pouco ou nada de técnicas debordar, traduziu de forma literal, não aproveitando aquilo que, apesar de tudo,
ainda se pode encontrar na Língua Portuguesa”

These considerations, which unfortunately do not know the author’s name, complete very clearly what I did say. It comforts me that the author has the same opinion I have on the translation of the Dictionary of Stitches by Lucinda Ganderton:

“… since 2000, there is a translation of a Dictionary of stitches by Lucinda Ganderton, published by Civilização
Editora. However, the translator of this book, before the existing emptylexical and knowing little or nothing of embroidery techniques, translated
literally, not taking advantage of what, after all, can still be found in the Portuguese Language “

Este texto sobre Pontos também vale a pena ser lido – aliás tudo sobre a Casa do Risco vale a pena ser lido e vale a pena visitá-la também.

This text about Embroidery stitches is worth reading too – indeed everything about Casa do Risco is worth reading and it is worth visiting it too.

** O livro Bordado de Guimarães continua esgotado.
** The book Guimarães Embroidery continues not available.

8 thoughts on “Coisas Curiosas / Curious Things (1)

  1. Hi Meri! Interesting post, thank you. I have the 1938 Mary Thomas’s Dictionary of Embroidery Stitches, only the Portuguese border stitch is in that one, but in the modern version are all 3 stitches, Portuguese border stitch, Portuguese knotted stem stitch and the Long-armed cross stitch (also known as long-legged cross stitch, plaited Slav stitch, Portuguese stitch and twist stitch!)
    I don’t think we will ever know how all the stitches got their names, as some of them can be very old and the exchange od cultures across Europe has been so vast over the centuries.
    Thank you for your visit, have a good day :)

  2. Thank you , Radka! You are right we’ll never know how “things” travelled all over the world for ages! but I’m sorry for that…
    Obrigada Nazaré – há mais, vou ver é se reduzo o tamanho, duvido que a maioria das pessoas consiga ler tudo até ao fim ;)
    Gracias Rosali

  3. A Méri está a fazer um enorme trabalho para que o bordado português não fique definitivamente fechado nas arcas. Bem-haja.

  4. É pena que estas “coisas curiosas” fiquem apenas a ser sabidas por quem se interessa pelos bordados e consulta estes blogs.
    Na verdade, tanta pesquisa merecia ser divulgada mais amplamente, até para que quem publica livros tão importantes e interessantes no nosso país não os tenha “fechados”, sem poderem ser comprados por quem na verdade se interessa e dedica tanto tempo a tudo isto! É incompreensível e não tem explicação. Será que têm receio que se comecem a “copiar” os desenhos e modelos? Mas isso é uma tolice, que pode fazer desaparecer bordados lindíssimosa que se fazem ainda no nosso país! Na verdade, já há tão poucas pessoas que se dediquem empenhadamente a bordar, que se se faz “caixinha” do que existe e está publicado, dentro de anos não haverá ninguém para continuar esta arte! Mas que se pode fazer?
    Tentem passar para fora destes blogues toda esta informação, por favor, para que a nossa arte dos bordados não acabe.
    Mariamana

  5. Pingback: Coisas curiosas / Curious Things (2) « agulhas da Méri

  6. Andei a ver aqui para baixo e é interessantíssimo (e pedagógico!) este post.
    Os pontos que sei fazer vão muito pouco além do ponto-de-pé-de-flor e o ponto-de-cruz :)
    Também sei o de arraiolos – muito parecido com o de cruz – de uma vez que me passou pela cabeça fazer um tapete. Acabou por ficar uma almofada!!!!

Comments are closed.