coin purse, glasses case… porta moedas, porta-óculos…


Já há muito que não usava a máquina de costura… (está no quarto mais frio da casa e a primavera parece não querer chegar).

The sewing machine wasn’t used for long… (it is in the coldest room of the house and looks like Spring is late).

Bordado de Guimarães acabado / Guimaraes embroidery finished

Depois desta entrada, só faltava fazer a bainha à volta do pano de tabuleiro. Resolvi usar o ponto formiga muito usado nos bordados regionais portugueses, nomeadamente nos bordados de Guimarães e de Viana do Castelo

After this post, it was just missing the hem around the traycloth. I used ponto formiga (??? hem stitch???) much seen in Portuguese regional embroideries, meaning in Guimaraes and Viana do Castelo embroidery.

O ponto é bordado em duas fases: primeiro um zig-zag de pontos lançados, que prende o tecido, depois o fio entrelaça os pontos lançados.

The stitch is worked in two steps: the first one is a zig-zag of straight stitches going into the fabric, while in the second step the strand whipped(??) the straight stitches.

E está feito.

And it’s done.

Do you know Joana Vasconcelos?

You have to.
Joana Vasconcelos is a Portuguese artist. In her sculptures and installations she plays with trivial objects and materials of daily life [such us doilies, knittings, pans, plastic cutlery (forks, knives and spoons) or even tampons!] giving them a sense and shape connected with traditional Portuguese values.

Visit her site at http://www.joanavasconcelos.com/  click on Work and enjoy!  At  Google Images “Joana Vasconcelos”  you’ll find her work too.

At Museu Colecção Berardo, Lisbon, you can see many of her works from last 15 years altogether for the first time, till May 18th. I have to go to Lisbon!

Black Independent heart

 made with plastic cutlery; inspired in Portuguese jewellery – filigrama  (high 3,70m)

The Bride

The Bride

 made with 14.000 O.B. tampons (high 4,70m)

Dorothy, Veneza, 2007

Dorothy, Veneza, 2007

 made with stainless steel pans and lids (high 2,70m)

and can’t resist and show one more

Gorette, 2006

a make a month for March

Já há algum tempo que estes tecidos estão cá por casa. Decidimos, eu e a minha filha, usar um deles para forrar duas prateleiras de um armário. Aconteceu este fim de semana, finalmente.
É a minha participação, para o mês de Março, no grupo a make a month.

I have these fabrics for long. My daughter and I decided to use one of them in a cupboard. At last it happened last weekend!
It’s my challange for March at a make a month group.

Escolhemos o mais claro.

We’ve chosen the lightest.

(a fotografia não ficou muito bem)

(the picture is not good)

Ajour duplo ou zig-zag? / Ladder or serpentine hem stitch?

Tenho que decidir se faço o ponto ajour  duplo  ou zig-zag.
[ponto ajour em zig-zag – fazer ajour de um dos lados da bainha aberta, apanhando um número par de fios e, do outro, formar o ponto ajour com metade de cada feixe já existente]
Se escolher este último terei que tirar mais um ou dois fios na bainha aberta para alargar um pouco, de forma a realçar o zig-zag.
Que acham?

I have to decide between ladder stitch (both sides with hem stitch) or serpentine stitch.
[Serpentine hem stitch – do hem stitch in one drawn thread edge taking an even number of threads and in the other edge taking each time half threads of two bunches, already done]
 If I’d choose this last one I have to draw one or two more threads from drawn thread to enlarge it a little bit so that we can see better the sepentine look.
What do you think?

 

Será para um pano de mesa bordado a ponto grilhão antigo,
It’ll be for a table runner embroidered with ancient grilhao stitch, (could we call it Portuguese palestrina stitch? :) there is already the Portuguese knotted stem stitch, isn’t it… ?)

DMC perlé 5 e 8
DMC perlé 5 and 8

Ponto canutilho / Bullion knot

os meus primeiros pontos canutilho

O ponto canutilho é um pouco intimidante para muita gente. Como tudo, tem que se treinar e apanhar o jeito. E nada melhor que ler os três posts da Yvette Stanton no White Threads, onde explica, de forma muito clara, os truques para um bom resultado: o primeiro, segundo e terceiro. Este último uma completa novidade para mim e que tenho que experimentar.
Também não posso deixar de referir o post e video da Mary Corbet no Needle’nThread.
Prestem atenção logo ao primeiro conselho que, tanto uma como outra, dão: o tipo de agulha – na minha modesta opinião este é o conselho mais importante para se fazer um ponto canutilho mais perfeito e depois apanhar o jeito, fazendo uma e outra vez.

 

Bullion knot is a bit intimidating for many people. Like everything you have to catch the way. And nothing better than reading Yvette Stanton’s posts at White Threads, where she explains clearly tips for a good result: this, this and this. The last one a complete novelty I have to give a try.
I can’t help referring Mary Corbet’s
post and video at Needle’nThread.
Note the very first advice both give us: the needle you use – in my modest opinion this is the most important advice to have a better bullion knot and then catch the way, doing again and again
.

Dito isto, quero mostrar-vos uma outra forma de fazer o ponto canutilho, que aprendi aqui no Norte, com uma bordadeira da Casa do Risco (ver a foto seguinte), há já algum tempo**.
Esta forma de fazer o ponto canutilho é usada quando se quer fazer este ponto bastante longo, como é típico em certos bordados aqui no Norte.

Said this, I want to show you another way to do bullion knot I’ve learnt with an embroiderer at Casa do Risco (see next picture) in North of Portugal, a while ago.**
This way is used when a much longer bullion knot is needed as is characteristic in some
Portuguese Northern embroideries.

**uma história para contar mais tarde…
**a story to tell you later…

fazer um longo ponto lançado de A a B, saindo de novo em A’,
do a long straight stitch from A to B,  pulling out at A’ again,

trabalhar como se trabalha a gradinha,
work as overcasting bar, 

à medida em que se progride, o polegar esquerdo segura na linha já enrolada,
as you go your left thumb protects the already rolled strand,

 até a linha estar preenchida, a agulha mergulha em B
till the end of the strand, and the needle sinks in B

o polegar vai fazendo movimentos laterais no rolo que se vai formando, para ajustar o fio.
as you go your thumb goes over the rolled strand, back and forth, to fit the thread.
E está feito!
It’s done!

Só os pontos canutilhos à direita foram feitos por este método. (inspirado no Bordado de Guimarães)
Only left bullion knots were made this way. (inspired in Guimaraes Embroidery)

Bainha aberta: formas de bordar / Drawn thread work – Openwork embellishment

Espero não vos estar a maçar com esta série, passo a passo, sobre bainhas abertas.
O meu objectivo é mostrar como faço, o que durante muito tempo pensei que era uma coisa muito complicada. De facto pode ser muito complicado, mas se se começar por fazer o básico obtêm-se efeitos bem bonitos e simples.
Recomendo a leitura (nem sempre muito clara) e a observação atenta das imagens da primeira parte deste livro (on-line, em pdf), que refiro na página livros / books deste blogue. Foi aí que aprendi muito do que tenho descrito.
Gostava muito de saber se esta série é útil e clara.

Hope I’m not boring you with this sequence step by step about drawn thread work.
My purpose is showing how I do something I thought too complex for long. Actually it could be very complex but if you set off with basic you’ll get very pretty effects.
I recommend the reading (not always clear to non English readers) and a careful observation of the pictures in part I of this book (on-line pdf) I quot at this blog page livros / books. It was there I’ve learnt much of what I have been putting in pictures and some words.
I would like to know if this sequence has been useful and clear.

Outra forma de bordar/embelezar a bainha aberta depois de fazer o ponto ajour dos dois lados da barra de fios tirados, não utilizando o nó simples nem gradinha, é passar um fio ao longo de toda a barra de fios tirados,  puxando esse fio entre os grupos de fios, torcendo-os. O melhor é observar as imagens e ir fazendo uma amostra, tudo se torna muito mais simples. Acreditem!
– na foto de cima só apanhei um grupo (2º) de fios para o “torcer” com o primeiro; as setas indicam a ponta da agulha,
– o livro recomenda que se trabalhe sempre a bainha aberta do lado do avesso,

Another way to embellish drawn thread after hemstitching and not using coral knot to join hem stitch clusters nor overcasting bar , is drawing the clusters together interverted (above referred book words)  in different ways. Better looking at the photos and doing a sampler – everything keeps much easier. Believe me!
– in above picture I’ve picked up one cluster of threads (the 2nd) to “twist” it with the first one: the arrows show the needle tip,
– working all kinds of openwork on the wrong side is a recommendation in the book,


aqui apanhei o terceiro e quarto grupo de fios para torcer com o primeiro e segundo,
here I’ve picked up the third and fourth clusters to twist with the first and second ones,


e assim sucessivamente…
and so forth…

pode-se trabalhar da direita para a esquerda, de cima para baixo ou de baixo para cima – experimentem e vejam como lhes dá mais jeito.
you can work from right to left, up to down or down to up – try and choose your way

podem fazer-se montes de variações – vejam a quantidade de esquemas no livro;  a segunda parte tem imagens de trabalhos muito mais elaborados que são um prazer para os olhos!
you can do zillions of variations – see the pictures in the bookpart II has much more complex variations which are a delight to our eyes!

Qual é a vossa opinião sobre esta sequência acerca de bainhas abertas? Querem corrigir ou acrescentar alguma coisa?

What is your opinion about this drawn thread sequence? Do you want to correct or add something?