Mary Corbert’s lesson 2 . Part II

I’ve begun part II full of confidence!

Now I know first row must be longer.

And yesterday I haven’t paid attention (or understood) to these Mary’s words: go deeper than you intended to go (while stitching into previous rows).

And I do like listening to Mary’s advise: try not to be too rigorous about it (short & long stitches) try to be a little loose…

Maybe I’ve taken to the very letter this advise… let’s see

 

In fact I understood the second (and next ones) row has to enter deep into the previous row – the thread seems to sink into the stitches already made.

As I was adding another colour it seemed as the previous colour vanished. I even asked myself if I was going too deep, but while stitching we look too close and I went on.

No problems???

At this stage – first half – I went on confident. Even at third row when I was working the corners in satin stitch. I’ve no images but it looked good.

But problems came soon, on second half of the square.


From the fourth row I don’t like the stitches. Mainly in the corners.

I over(?) stitch the right corner and the square became a lozenge!


I’m no more so confident as today morning.

The most labourious and difficult elements are about to come…

Mary Corbet’s lesson 2 – Part I

Here we go!

Things I notice at once:

- need to visit an ophtalmologist – urgent!!!

- need a good hoop – urgent too!.
 

 
Sorry for the poor quality of these images – the camera is good but I’m not good with it.
Next time I’ll go on using mine.

I wanted to be clever and traced six points vertically for the six colours – it didn’t work

the first row became too short
and the back wasn’t nice…
since the first row was too short the subsequent two rows don’t look well – the first and second colours were badly seen…
the back… a mess

The final result. I don’t like it but it is my first attempt in long and short stitch shading.
Next time the first row must be longer.
May I undo???
  
A question: how do you get a smooth, flat thread???
I thought that this happened to me because I used thread card bobbins, but this time I’ve followed Mary Corbet step by step.
 

Resources / Recursos

Já escrevi aqui que, muitas vezes, não sei o nome dos pontos de bordar, em português. O que é uma vergonha! Não fui uma menina prendada que aprendeu a bordar em pequenina. Acordei tarde e aprendi por mim e uma das grandes responsáveis, também aqui referida várias vezes, é a Mary Corbet e os seus videos de pontos de bordar. Um pouco antes de a encontrar já tinha descoberto a Sharon B e o seu Stitch Dictionary in a minute ago. As duas são o meu grande recurso sobre bordados. Claro que há muitas mais fontes online, mas estas são as minhas preferidas.
Fui, por isso, aprendendo o nome dos pontos em inglês, embora tenha ideia, muito vaga, dos nomes portugueses.
Já percebi que conforme a região há pontos que são designados de maneira diferente, como o ponto pé de flor, que também já ouvi designado por ponto haste, corda ou cordão.

Quando andei pela feira do livro e encontrei este livro, fiquei toda contente e resolvi comprá-lo para ver se aprendia alguma coisa dos nomes de bordar, em português.
 
I’ve often written that I don’t know the embroidery stitches by its Portuguese names. Shame on me! I wasn’t a gifted girl who learnt to embroider when was very little… I awaked late and learnt by myself and one of the most responsible persons for that – and several times here referred – is Mary Corbet and her Video Library of Stitches. A little before I found out her I had met Sharon B and her Stitch Dictionary in a minute ago. Both are my great resources for embroidery. Of course there are other resources online but they are I like better. So I was learning the stitches names in English and I vaguely reminded some names in Portuguese.
I already understood that according to different regions the names change.
 
So I was very happy when I found this book translated into Portuguese in the booksellers’ fair.
 
Mas… quando comecei a folheá-lo, mesmo não sendo entendida no assunto, surpreendi-me com a tradução à letra do herringbone stitch para ponto de espinha de arenque;
 
But… when I began reading it I was surprised with (even not being an expert in the matter) the literal translation from herring-bone stitch;
e do seed stitch para ponto semente, quando sempre ouvi chamá-lo ponto areia.

 

 
and from seed stitch (always heard to name it as sand stitch – literal translation to English)

Mas o que mais me fez perder a confiança na tradução deste livro foi ver o blanket stitch (também buttonhole stitch) traduzido para ponto de cobertor! Ainda se fosse para ponto recorte, como já ouvi…
 
But what most make me not to trust this book translation was reading the literal translation from blanket stitch ( we use something like buttonhole stitch, never blanket…)

Fortunately it appears one stitch (i don’t know what is the name in the English version of this book) well translated to our ponto de Arroiolos, used in beautiful and well known tapestries from Arroiolos, worked in a particular wool thread and particular colours.
After all it is to be regretted that more attention wasn’t given to the translation.
Felizmente o nosso ponto de Arroiolos aparece bem traduzido. Penso que é de lamentar não ter sido dada mais atenção à tradução.

Tapete de Arroiolos (ponto pequeno)

Arroiolos tapestry (little stitch)Tapete de Arroiolos (ponto largo) – feito por mim há muitos anos.

Arroiolos tapestry (large stitch) – handmade by me long ago.

Tenho que comer muita broa / I have to eat a lot of bread*

Como conseguia a minha Mãe esta perfeição?
How could my Mother reach this perfection?

Continuo às voltas com os pontos e fios, mas não chego !
I go on around the stitches and threads, but can’t reach there!
Aquela “coisa” rosa pretendia ser um círculo! e os quadrados… enfim.
Tenho tanta, tanta pena de não ter tido oportunidade de aprender com a Mãe!
 
That pink “thing” aspired to be a circle! and the squares… never mind.
I am so so sorry for not having had the opportunity to learn with my Mother!
 
*Portuguese saying meaning to have to learn much, to work hard, to grow up…

Pontos de bordar / Stitch sampler

(luz natural / natural light)

 

Some days ago I finnaly decided to start an embroidery sampler – trying different stitches and threads, though I haven’t much different kinds of threads…
I decide to follow these videos (video library of stitches) available in the amazing Needle’nThread written by Mary Corbet.
Have I already said she is a sympathy? So I say it again!
I have to confess I’m addicted (and I only “jumped” a stitch – ladder stitch - but I’ll come back there); the variations on chain stitch are so pretty and so easy to do (I know this is not a new for most of you, but it is for me!)
 
Some conclusions so far:
- I read so many embroidery blogs in English I don’t learn the Portuguese names of the stitches, and I hate this;
- i need (with some urgency) a magnifier (not those to hang around your neck) for some stitches and/or fine linen;
- also need a good light;
- and, seeing that, a good hoop round and/or square.
 
The most on-line stores are from United States and I think the shipping is expensive and some only sell inside US. I would like to buy here (Portugal) or at least in Europe where I think the shipping price is lower. I’ve looked for United Kingdom on-line stores but found nothing.
Please can anyone there give a hint?
 
Há alguns dias decidi-me – finalmente – começar a bordar vários pontos e experimentar diferentes fios, embora não tenha muita variedade…
Resolvi seguir estes videos (video library of stitches) disponíveis no fabuloso Needle’nThread escrito pela Mary Corbet. Mesmo não percebendo inglês os videos percebem-se muito bem.
Já tinha dito que ela é uma simpatia? Então fica dito mais uma vez!
Tenho que confessar que estou viciada (e que só “saltei” um ponto – ladder stitch - mas lá voltarei); as variantes do ponto cadeia têm um efeito lindo e são facílimas de fazer (isto não será novidade para muita gente, mas é para mim!).
 
Algumas conclusões até agora:
- de tanto ler blogues de bordados em inglês, não aprendo o nome dos pontos em português o que me aborrece bastante;
- que preciso, com alguma urgência, de lupa (não as de pendurar ao pescoço) adequada para certos pontos e/ou linho mais fino;
- que também preciso de uma boa luz;
- e, já agora, de um bom bastidor redondo e quadrado.
 
Há muitos lojas on line dos Estados Unidos a vender estes materiais, mas gostaria mais de comprar por cá ou, vá lá, na Europa. Julgo eu que a despesa de envio ficará mais económica.
Haverá por aí alguém que me possa dar uma dica? Há em Portugal alguma boa retrosaria com estes materiais?
 

…e pontos

Há uns meses comprei 6 panos de linho com uma baínha cosida à máquina. Foram muito baratos porque têm defeito. O defeito está precisamente na linha cosida à máquina.

Ora aqui estava uma boa oportunidade de experimentar pontos que nunca tinha feito.

A primeira dificuldade foi o nome dos pontos. Andei pela net à procura e encontrei este manual de bordado com 100 pontos de bordar

http://www.coatscorrente.com.br/scripts/consumo/dica/manual_bordado.asp

Os nomes dos pontos estão em brasileiro, mas a maior parte corresponde ao nome português.

Nestas andanças encontrei o blogue De ponto em nó que me encantou pela sobriedade e por todos os trabalhos – os de patchwork são o meu espanto, pois parece-me que nunca terei paciência para lidar com pedacinhos tão pequenos de tecido.

Através deste fui ter a um outro blogue onde encontrei um link precioso ( pelo menos para mim) de onde se pode fazer o download d’ O Grande Livro da Costura da Reader’s Digest.

Andei dias nisto…

Parece-me que nunca deixarei de me espantar com estas novas tecnologias!

Conseguirão os nossos netos algum dia entender este espanto?